Nietzsche e Gracián. A arte da dissimulação aforismática como experiência de afirmação da vida

A experiência de vida, caracterizada como uma maneira suave e enfraquecida para se afirmar as reivindicações do Cristianismo é a forma que Nietzsche apreende da leitura refinada, complicada e dissimulada da moral cristã feita pelo jesuíta Balthasar Gracián. A paradoxalidade desta avaliação se depreende da maneira pela qual este jesuíta usa a experiência de vida como uma forma de afirmar o Cristianismo, precisamente pelo estilo de dissimulação aforismática. A acolhida do fato da vida naquilo que ele apresenta de mais duro, é torná-la plena, ou seja, imortal. Em que medida Nietzsche partilha desta posição, no intuito de desacreditar o Cristianismo moral, afirmando-o como prática?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: