Kuhn e o relativismo das teorias científicas

 

A escola dominante de positivismo no primeira metade do século XX foi o positivismo lógico. Central ao positivismo lógico era o princípio de que a observação pode fornecer um ponto de vista neutro, ou seja, objetivo, como meio de avaliação de uma teoria. Kuhn e Feyerabend ‘rejeitaram esta visão’ (Suppe 1999:301.)

Os seus argumentos contra a objetividade eram complexos e envolventes julgamentos sobre se a teoria pode ser confirmada pelos factos e se uma teoria pode ser melhor apoiada pela observação do que outras. (…)

O caso de Kuhn (1970) e Feyerabend (1984) contra a objetividade é baseado na sua interpretação do que é conhecido como a tese de Quine-Duhem (Quine 1953; Duhem 1906). Esta tese enfatizou as ligações supostamente ‘fracas’ entre teoria e observação. Tal fragilidade foi afirmada como resultado das teorias só entrarem em contato com a observação por meio de uma rede de conexões, teorias ou hipóteses auxiliares. (…) Uma teoria envolve proposições enormemente gerais e abstratas e outras que são menos gerais e abstratas. As primeiras proposições, frequentemente denominadas leis ou teorias explicativas, são compostas de conceitos abstratos e gerais, chamados termos teóricos, que exibem relações entre si e, ao fazê-lo, em última análise, especificam quais devem ser as relações entre eventos no mundo. As últimas proposições são chamadas de teorias ou hipóteses exploratórias ou auxiliares, bem como regras de correspondência (Suppe1977: 77). Certos conceitos nessas últimas proposições são chamados de termos observacionais. Os termos teóricos são tão abstratos que não têm referentes observacionais diretos. Os termos observacionais referem-se a referentes diretamente observáveis. Regras de correspondência e hipóteses de conexão especificam quais os termos observacionais que serão qualificados como “sobre” quais termos teóricos. A parte lógica do positivismo “lógico” surge porque teorias ou hipóteses exploratórias, ou auxiliares, são deduzidas de uma teoria explicativa, com base na qual se diz  quais os termos teóricos que representam termos observacionais. (…)

Kuhn e Feyerabend aceitaram a tese de Quine-Duhem e sugeriram que tinha implicações para a objetividade. Para eles, a tese de Quine-Duhem significava que todas as observações eram ‘carregadas de teoria’ ou ‘informadas pela teoria’. A observação é ‘carregada de teoria’ no sentido de que o que um cientista ‘vê’ é dependente de uma teoria existente que direciona a observação do cientista. Por exemplo; onde os Durkheimianos  viam  o desvio em todos os lugares. Os marxistas veem exploração. Portanto, uma visão durkheimiana de distúrbios civis pode estar fortemente carregada com observações de desviantes desordeiros, enquanto a visão marxista da mesma realidade pode ser igualmente carregada de observações de revolucionários oprimidos. Isso significa que a teoria polariza a observação, tornando a objetividade impossível. Kuhn e Feyerabend argumentaram então que cientistas ligados a diferentes teorias são obrigados a fazer diferentes observações de apoio às suas teorias. Duas consequências decorrem dessa afirmação. A primeira é que uma teoria pode ser confirmada apenas em relação às observações que se aplicam a ela. A segunda é que se cada teoria tem as suas próprias observações pelas quais é avaliada, então não há base para julgar teorias conflituantes. As teorias são, com efeito, incomensuráveis. Essas consequências relativistas parecem devastar a ciência. No entanto, principalmente nas décadas de 1970 e 1980, os realistas científicos responderam e, como sugere o título de uma de suas obras, procuraram refutar o relativismo (Siegel 1987). Suppe argumenta que seu trabalho foi tão completo que hoje os relativistas são apenas ‘relíquias influentes da história da filosofia da ciência ‘(1989: 300)

(…)

Primeiro, deve-se perceber que mesmo que as afirmações relativistas estejam corretas, as suas implicações para a práxis científica – o que os cientistas realmente fazem – não é determinante. A tese de Quine-Duhem parecia implicar, como Feyerabend notou, que ‘teorias não podem ser refutadas de fato’ (1984: 113) . No entanto, mesmo que o aceitemos, isso não significa que se pare de avaliar teorias para saber se o que é observado (os factos) está em conformidade com o que foi dito que seria observado (a teoria). Quine e Duhem perceberam que a teoria do conhecimento era mais confiável se apoiada pela observação, e que quanto mais suportada por factos, mais confiável era. Isso significa que conhecimento teórico não apoiado pela observação não é confiável, enquanto o conhecimento apoiado por grandes conjuntos de factos é muito mais confiável; e, claro, prefere-se o último ao primeiro (Ziman 1978). Isso implica que mesmo que a doutrina Quine-Duhem seja considerada correta, o cânone da lógica positivista, a norma de correspondência – ou seja, a teoria deve-se ajustar aos factos (Kaplan 1964: 313) – ainda orienta a pesquisa. Da mesma forma, embora as teorias concorrentes possam ser incomensuráveis, não significa, de acordo com Kuhn ou Feyerabend, que pare de se usar evidências para avaliá-las. Feyerabend, na verdade, sugere procedimentos para formular novas teorias com base em observações de outras mais antigas. Ele diz que os cientistas podem fazer observações relacionadas com uma teoria, dividindo essas observações naquelas que apoiam e naquelas que não apoiam a velha teoria. Então, com base nesses factos, a busca de uma nova teoria começa com a capacidade de explicar teoricamente os factos de confirmação e de falsificação da velha teoria (Feyerabend 1984: 158-9). Três pontos devem ficar claros se seguirmos os procedimentos de Feyerabend: (1) os fatos são absolutamente críticos na avaliação de velhas e novas teorias, (2) as teorias são comensuráveis ​​em termos de números de factos confirmados e falsificados, e (3) pode haver progresso teórico porque novas teorias possuem menos factos falsos e mais comprovados.

 Tradução Helena Serrão

S. P. Reyna, Literary Anthropology and the Case Against Science, Vol. 29, No. 3 (Sep., 1994), pp. 564-571

 

source http://filosofialogos.blogspot.com/2021/02/kuhn-e-o-relativismo-das-teorias.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: